Crítica Pesadelo na Cozinha: episódio passado foi o melhor até aqui | Cabine Cultural
Crítica televisão Notícias Televisão

Crítica Pesadelo na Cozinha: episódio passado foi o melhor até aqui

Pesadelo na Cozinha

Pesadelo na Cozinha

Erick Jacquin ajudou restaurante italiano no episódio exibido semana passada no Pesadelo na Cozinha

O programa da Band Pesadelo na Cozinha enfim exibiu um episódio que foi perceptível a ajuda de Erick Jacquin desde o início do processo. Não somente por isso, o episódio do restaurante italiano Fina Farina foi o melhor exibido até aqui, sem dúvida alguma.

A começar pelo diagnóstico inicial encontrado logo de cara: desmotivação do líder, que acabava por contagiar a todos, inclusive a atmosfera do próprio restaurante. Neste sentido, não era necessário grande investimento para se mudar esta situação, mas sim um trabalho de psicologia empresarial mesmo. Foi o que Jacquin, desde o início, percebeu e centrou grande parte de seu trabalho nesta perspectiva.

Leia também:  Crítica: MasterChef Brasil começa nesta terça na Band

Descobrir que o dono largou a faculdade de gastronomia pouco antes de se formar, que já chegou a ter momentos de depressão, foi chave para Jacquin perceber o que estava errado no restaurante, que era italiano, mas não tinha a alma italiana, expansiva e alegre.

O resultado era mais que óbvio: a empresa não ia para frente, o espaço fisico era desorganizado e os funcionários trabalhavam na mesma vibe que o patrão, algo que chega a ser óbvio no mundo empresarial, independente da área de trabalho.

Foram necessários muitos papos, conversas e um momento de catarse, quando Jacquin levou o dono do restaurante para um ferro velho, para que ele extravasasse e direcionasse toda a sua raiva, angustia e tristeza em televisões antigas, fornos microondas, etc.

Leia também:  Crítica: Pesadelo na Cozinha desta quinta socorre o restaurante Fina Farina, na zona sul de São Paulo

Deu certo. O que vimos depois, e certamente veremos a partir de então, é um patrão motivado, querendo aproveitar cada momento desta nova chance dada pela produção do programa, que além de reformar o restaurante (estava precisando também), lhe conseguiu uma bolsa de estudos para terminar enfiam o seu curso de gastronomia e virar oficialmente um Chef de cozinha.

Neste sentido, a presença de ex-professores foi providencial e ajudou bastante no processo de reconstrução do restaurante e de seu dono, principal proposta do Pesadelo na Cozinha.

Agora, com a estreia da nova temporada do MasterChef, Jacquin ficará mais tempo na tela da televisão, e isso talvez o atrapalhe, por ver a sua imagem mais perto de saturar que os outros jurados. Entretanto, também pode ser um bom chamariz para o Pesadelo na Cozinha, que não possui, nem de longe, a mesma audiência e recepção nas redes sociais que o MasterChef.

Leia também:  Crítica Pesadelo na Cozinha: os erros e os acertos até aqui

O fato é que o programa de Jacquin se encaminha para o final de sua temporada de estreia e no fim das contas a Band deve decidir se renova ou não a atração, e se baseará certamente em audiência e recepção social do programa. Assim, Pesadelo na Cozinha ainda tem alguns episódios para mostrar que pode mostrar ainda mais do que vem mostrando.

Mas desde já o resultado é satisfatório.


Deixe uma resposta