Festival de arte visual urbana ocupa as ruas do Rio de Janeiro em abril | Cabine Cultural
Arte Cultura pop e ETC Notícias

Festival de arte visual urbana ocupa as ruas do Rio de Janeiro em abril

Coluna da jornalista Úrsula Neves sobre tudo que acontece no universo da cultura pop

Festival de arte visual urbana ocupa as ruas do Rio de Janeiro em abril

O Rio de Janeiro recebe, de 1 a 30 de abril, a terceira edição do Rio Mapping Festival, considerado hoje o maior festival de luzes da América Latina. O evento oferece ao público a oportunidade de conhecer a tecnologia artística mais moderna e mais usada nas grandes capitais pelo mundo.

A programação do festival (totalmente gratuita) começa com a abertura da exposição multimídia “365 x 3”, às 21h, no Nau ( Núcleo de Ativação Urbana), apresentando cerca de 23 obras – 18 fotografias, 2 vídeos documentais e 3 projeções em 3D –  que fazem uma retrospectiva do festival.  Na sequência, intervenções visuais com o VJ Raton e Leandro VJ, e ainda o show de Babu Santana e os Cabeças de Água Viva compõem a programação da noite de abertura.

O Nau, o galpão oficial do festival, recebe atividades todos os dias. Além da exposição, serão realizados encontros de Vjs e intervenções visuais. Na quinta-feira, 06 de abril, acontece a Festa ZiriguiMundi, com o DJ Montano e um encontro de VJs a partir das 19h. Já na sexta-feira, 07, acontece a Festa D-Edge – 17 anos com o DJ Stephan Bodzin e intervenções visuais do Muti Randoph.  Na quinta-feira, 13 de abril, a festa Mundo Da Lua – DJ Marcelinho Da Lua, acompanhado de intervenções visuais. Já na sexta-feira, 14, a festa La Cumbia.

Leia também:  Assista ao primeiro trailer do filme do Pica-Pau

No dia 17 de abril, data de abertura oficial das intervenções urbanas, as projeções vão transformar a arquitetura no galpão oficial do festival. Lá também serão realizadas todas as oficinas e palestras do evento ministradas por profissionais reconhecidos no mercado mundialmente. Uma das participações internacionais confirmadas é a artista holandesa Frouke ten Velden, que lança no dia 18 de abril sua obra de vídeo mapping  Vector 2.0.

No dia 19 será realizada a intervenção de video mapping na fachada da IRB Brasil – RE e a apresentação do DJ Sapucaia. No dia 20, na fachada da Câmara dos Vereadores, na Cinelândia e a atração musical por conta da Festa Disritmia. No dia 21 o festival se apresenta no Morro da Providência com o VJ Jodele Larcher, e no dia 22 a fachada do Real Gabinete Português de Leitura se transforma com a intervenção do Leandro VJ, Paulinho Sacramento e Brizio, e VJ Raton. Já no domingo, 23 de abril, o festival realiza um vídeo mapping na fachada da Igreja de São Jorge, em Quintino, na Zona Norte do Rio, fazendo parte das celebrações do ‘Santo Guerreiro’.

Leia também:  Escravos, de Machado de Assis, volta aos palcos na Casa de Cultura Laura Alvim

Próximo do encerramento do festival, no dia 28 de abril, será apresentado o vídeo mapping no Cubo, no Museu de Arte do Rio – MAR, e ainda a apresentação da cantora Larissa Luz, no evento MAR de Música. No dia 29 o local é a fachada do IAPI, em Del Castilho. E no dia 30, o encerramento do festival fica por conta da festa Bailão do Castelo no Galpão do Festival.

Segundo Paulinho Sacramento, idealizador do festival, o Rio Mapping Festival nasceu da necessidade de trazer olhares ampliados sobre uma das técnicas mais inovadoras da atualidade, provocando no público a sensibilização de uma nova forma de utilização dos espaços públicos. “A proposta do festival é valorizar esse campo de atuação, legitimando e promovendo a reconfiguração de olhares sobre a paisagem urbana, levando arte visual para espaços incomuns. E também promover um espaço de encontro experimental para a criação e intercâmbio artístico. Além disso, queremos atrair e ampliar o público consumidor de cultura de forma gratuita e interativa, integrando a arte visual, a música e a arquitetura no espaço público através de criatividade, experimentação e tecnologia,” conta Paulinho Sacramento, que foi o criador das intervenções de vídeo mapping realizadas no Boulevard Olímpico durante as Olimpíadas em 2016.

Leia também:  “Mulher-Maravilha” – Vale a pena assistir ao filme da super-heroína?

Entre os dias 17 a 23 de abril (de segunda a domingo), sempre a partir das 19 horas, haverá performances em Santo Cristo, Morro da Providência, Centro, Praça Mauá, Quintino e Ilha do Governador.

Serviço
Rio Mapping Festival 2017
Abertura dia 1/04. Visitação de 2 a 30 de abril
Horário: 21h
Local: Galpão Oficial do Festival (Antigo Rua City Lab)
Visitação: de terça a quinta, das 14h às 20h
Sextas e sábados, das 17h às 2h
Domingos, das 10h às 16h
Entrada gratuita

Deixe uma resposta