Telinha em Pauta: Crítica A Força do Querer
Crítica televisão Notícias Televisão Telinha em Pauta

Crítica A Força do Querer: a audiência vai bem, mas e a trama?

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Coluna da jornalista Camila Botto sobre tudo que acontece no mundo televisivo

Crítica A Força do Querer: a audiência vai bem, mas e a trama?

Glória Perez adora tocar em feridas não muito bem cicatrizadas pela sociedade. O tal “padrão normativo” não é com ela. Até aqui, A Força do Querer mostra bem isso, com destaque para a história de Ivana (Carol Duarte), que se descobrirá transexual, para decepção total da mãe, a dondoca Joyce (Maria Fernanda Cândido).

Outra história que chama atenção é o triângulo amoroso formado por Bibi (Juliana Paes), Caio (Rodrigo Lombardi) e Rubinho (Emílio Dantas). Já vimos este filme antes: Paes e Lombardi só ficaram juntos após Bahuan (Márcio Garcia) ser rejeitado pelo público em Caminho das Índias. Que o casal tem uma química forte, todo mundo sabe.

A Força do Querer

A Força do Querer

Glória Perez – atualmente a autora com mais traços da saudosa Janete Clair – acerta em dosar as aparições das duas histórias acima com a principal, formada pelo trio Ritinha (Ísis Valverde), Ruy (Fiuk) e Zeca (Marco Pigossi). Porque? Os três, até aqui, não deram tanta liga e, se der errado, ela pode subverter naturalmente a importância das tramas.

No quesito audiência, a novela vai bem, obrigada. Tem mantido a média de 33 pontos na Grande São Paulo, deixando para trás sua antecessora – a chatérrima – A Lei do Amor.

Oremos para Glória não ceder às pressões externas e acabar por estragar a trama. Os noveleiros apaixonados – como esta que vos escreve – está carente de boas novelas, especialmente nesta faixa, que um dia já foi nobre.

Camila BottoFormada em jornalismo com pós-graduação em mídias digitais, Camila Botto é colunista do Cabine Cultural, editora-chefe do Feminino e Além, assessora do Teatro Castro Alves, autora do livro Segredos Confessáveis e sócia da Dendê Cult Press.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

2 Comments

  • Pecando pelo absurdo glamour destacado no morro. A personagem da Juliana Paes, a bibi perigosa está escandalosamente e absurdamente exagerada, caricata, e os figurinos dela? o que é aquilo? E a ascensão dela no morro? A mulher aceita T U D O o que o marido faz, ele pode traficar, roubar, levar toda a família para o fundo do poço, pode até matar, só não pode trair, então tá!

  • Para mim a novela está razoável, o protagonista FIUK é péssimo ator se é que se possa chamar de ator, pois não sabe atuar, ele alegre, triste, preocupado, não tem diferença, a expressão sempre é a mesma, e nem expressão corporal ele tem. Desculpe mas falta para ele estudo para atuar ou melhor arrumar outra profissão. Com tantos atores bons …………
    O papel da Ivana já cansou sempre a mesma história, “Eu Não Sei Quem Eu Sou” já deu, já cansou, já irritou bastante.
    A Ritinha que papel mais chato de uma Nordestina que se faz de Inocente com o ar de deboche, irreverente e inconsequente que irrita e faz cara de menina de 10 anos e que não tem e nem passa sentimento no papel. Aliás em todos os trabalhos já feito, com aquele riso enjoado e olhar de menina quietinha. E sem contar que a história dela com sua mãe é muito chata, uma historia boba, ridícula que usa e abusa das pessoas. Insuportável.
    Resumo Glória sempre esperei com ansiedade sua novela, mas com Fiuk, e Isis como protagonistas deixou a desejar pare e observe eles atuando como se fosse expectador e você entenderá.
    Sinto muito e aliás observado e com a mesma opinião por alguns conhecidos meus também.

Deixe uma resposta