Crítica A Cabana: um filme bom, ótimo ou péssimo? | Cabine Cultural
Cinema Críticas Notícias

Crítica A Cabana: um filme bom, ótimo ou péssimo?

A Cabana

A Cabana

Dirigido por Stuart Hazeldine. Roteirizado por John Fusco. Baseado em A Cabana por William P. Young. Elenco: Sam Worthington, Octavia Spencer, Aviv Alush, Radha Mitchell, Alice Braga, Tim McGraw, Sumire Matsubara, Megan Charpentier, Gage Munroe

Por Gabriella Tomasi

O filme A Cabana é originalmente um livro de título homônimo escrito pelo canadense William P. Young, lançado em 2007 nos Estados Unidos. Após ter sido consolidado como um best-seller literário, tendo vendido até então mais de vinte milhões de exemplares, naturalmente a indústria cinematográfica obteve a oportunidade de fazer sua adaptação e, dez anos mais tarde chega às telas dos cinemas brasileiros o longa tão esperado. Baseados nas próprias experiências de vida do autor, acompanhamos a jornada de Mackenzie (Mack, interpretado por Sam Worthington) Phillips para superar e curar-se emocionalmente de uma tragédia, qual seja, a morte de sua filha mais nova Missy.

Infelizmente, desde o início o filme possui problemas narrativos de estrutura em sua execução. O primeiro ato extremamente fragmentado e acelerado apenas faz uso de flashbacks para abordar alguns pontos principais da vida de Mack em sua infância e, desta forma, o roteiro claramente o estabelece como uma vítima de abusos de seu pai. O resultado, todavia, prejudica tornar crível a mudança repentina de opinião do protagonista mais tarde por não dar mais camadas ao personagem, principalmente para aqueles que não estão familiarizados com a história do livro.  Até porque, o roteiro gira em torno de fazer Mack crer que está realmente vendo personificações físicas de Deus (Spencer)… Continua a leitura

UCI OrientCinemas

Uma resposta para “Crítica A Cabana: um filme bom, ótimo ou péssimo?”

  1. Eu adorei, maravilhoso ..melhor filme sobre fé ,amor,superação e perdão,os aspectos religiosos no contesto do filme apresentados de maneira simples sem exagero,o filme te prende e emociona do começo ao fim, é um filme para refletir, se colocar em situação inimaginável e tão presente no mundo que vivemos.

Deixe uma resposta