Crítica A Força do Querer: novela de Glória Perez é boa, ruim, ótima ou péssima?
Crítica televisão Notícias Televisão

Crítica A Força do Querer: novela de Glória Perez é boa, ruim, ótima ou péssima?

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Força do Querer

A Força do Querer

Até então posso dizer que “A Força do Querer” vem dizendo a que veio. Viva Glória Perez que apareceu em um momento de grande baixa no horário

Por Feminino e Além

Não sou uma apaixonada por Perez, mas quando ela acerta a mão não tem para ninguém. Exatamente como Maneco quando acertava a história. E olhe que ele acertava muito mais que errava. Já pela abertura, percebo a força e a linha de batalhas que suportarão o enredo. “A bruta flor do querer… a bruta flor…”. De cara você pensa em Paolla Oliveira? Também, mas todos ali tem um sentimento já demonstrado ou ainda escondido, que representa essa tal bruta flor.

Transexualidade e natureza. São os temas centrais de A Força do Querer, mas quem disse que TODOS os personagens não tem lá sua grande relevância? Já no primeiro capítulo, Perez já avisou que a lentidão não será sua vírgula. Se você perder uma noite, pode ser que se perca no atual. Lembra uma série do tipo “Scandal” em que nada pode ser deixado de lado porque se não, nada casa no seu entendimento. Diferente da antecessora que podíamos assistir uns dois capítulos por semana que tudo se encaixava depois. O pulo de dez anos já demonstrou isso: não temos correria desenfreada, mas não queremos encher linguiça.

Amores desencontrados, desenlaces e casamentos atormentados. Já deu para ver de tudo nesta primeira semana. E olhem que só estou falando do lado amoroso. Muitos problemas inesperados, mas casuais aparecerão por aí… Continua a leitura


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

10 Comments

  • Definitivamente, o capitulo de ontem onde a personagem da Juliana Paes, a “bibi perigosa” chegou e deu um: para tudo no “dono do morro, o sabiá” no meio de um sequestro foi…surreal! A bibi passou de esposa amorosa, mãe dedicada, boa filha e com um futuro promissor para uma louca deslumbrada, descontrolada, capaz de incendiar um restaurante e matar … mas, tudo por amor, um detalhe importante, ela faz boas ações: salva o ex de levar um tiro, liberta a ex cunhada, pagando a dívida no cassino, dá um jeitinho para a amiga entrar no presídio de madrugada e dá um final feliz ao sequestro e ainda dá o dinheiro para o taxi! Gente, ela é quase um “batman”, se alguém estiver em perigo, chame a bibi que ela resolve! A única cena desse núcleo que eu vejo sem exageros é o sofrimento da Aurora, personagem da Elisangêla e mãe da bibi, o constrangimento, a tristeza e a dor dela atravessam a tela da TV, e a surra dentro da cela foi muito boa! E agora o final da novela? final feliz para a mocinha cheia de marra, que tira onda da cara da polícia.

  • É uma VERGONHA! Não assisto essa porcaria mas, minha mulher, sim. Antes de ontem, estava na sala com ela e me deparei com uma menina injetando não sei o que na perna e se vestindo como um garoto. QUE BELO EXEMPLO para a nossa juventude tão MADURA. Daí eu me pergunto: Para quê tanta insistência nesse tema. A menina é gay e pronto. O que isso tem a ver com a trama? Não sou a favor de censura, mas acho que deve existir limites, como em tudo na vida. No meu entender, liberdade demais, faz com que você perca a noção de realidade.

  • “Fiz por amor”. O jargão do momento diz tudo. Realmente não há força maior que essa quando se quer algo. Em A Força do Querer o “amor” caiu como uma luva para justificar o crime, a mentira, o abandono do filho (uma criança), da família, dos valores, do trabalho e do caminho justo. Me pergunto só uma coisa: Bibi ama mesmo a quem? Estou confusa, pois não seria a si mesma? Rubinho me parece apenas um coadjuvante em quem ela fixou sua obsessão.

    A questão é que a personagem Bibi surge, a meu ver, como um reflexo do caráter egocêntrico e irresponsável demonstrado por sua autora. Assim como Bibi, não estaria, Glória Perez, amando apenas a si mesma? Em um país com o quadro de desemprego, desesperança e miséria proliferada em todos os cantos, apresentar uma “Baronesa do Pó” como escritora e destinar a ela o status de celebridade me parece uma afronta. Competente como é, a autora consegue ilustrar muito bem para milhões de adolescentes, jovens e casais desesperados por sustento como pode ser fascinante, desafiadora e aventureira a vida por meio da transgressão. O que para muitos é repulsivo, para milhares parece uma opção atraente até demais.

    O que as pessoas que defendem esse tipo de promoção se esquecem é que não se chega à “Barões do Pó” sem muita violência, traição, armação, mentira e destruição de patrimônios, famílias e vidas inteiras. Qualquer pessoa que já tenha convivido com a realidade do vício sabe do que estou falando. Traficantes não são românticos e nem podem ser romanceados em nenhuma hipótese. São destrutivos, egoístas, gananciosos, parasitários e disseminam sofrimento e tragédia por onde passam. Entendo…pessoas de bem não vendem novelas…

    O fato é: quantas famílias líderes de tráfico e sua quadrilha não destruíram por “amor”? Quantos corpos esse “amor” enterrou? Quanta juventude esse “amor” desmedido levou embora com ele? Será que a autora parou para pensar nisso por algum minuto? Penso que o “amor” pela audiência e pela promoção pessoal falou mais alto. Será que se pensou, em algum momento, no “amor” roubado dos pais, mães, filhos, parentes e amigos pela violência do tráfico de drogas? Será que a autora se perguntou como se sentiram essas pessoas que perderam seus filhos para os “Barões do Pó”? O que devem estar sentindo ao ver uma criminosa e sua história romanceadas na maior emissora de TV do país, com direito a cadeira VIP em todos os meios de comunicação controlados pelo grupo?

    Pra fechar, deixo uma pergunta: o que acharia Gloria Perez, se Guilherme de Pádua voltasse a atuar como galã de novela? Vale tudo em nome do “amor”?

    • Excelente comentário!Parabéns Fernanda.Você disse tudo abordando ,de forma global, uma sociedade carente de valores éticos .Abraço

  • ´Fiquei decepcionada com Gloria Perez quando ela abordou a medida protetiva no capitulo em que Fiuk ameaça a ex na empresa e ela vai a delegacia fazer a denuncia e pede medida protetiva mostrando a minoria das mulheres que passam por violência principalmente quando estamos passando por uma crescente feminicidio por conta de violência domestica contra a mulher .A medida protetiva é a melhor saída da pessoa que estar sendo ameaçada pois lhe dá segurança de ter garantido seu direito constitucional de ir e vir.

  • Insuportável!!! Fui desafiada a assisti-la em alguns momentos (visitas em casa noveleiras) mas O D I E I. Mulheres? cabeças vazias, oportunistas e fúteis demais – imagine uma estudante de direito fazendo as m… que a tal Bibi andou fazendo! A tal sereia – meu Deus! A alienada da viciada em jogos só perde para o alienado do marido. Saudades de Irmãos Coragem, Selva de Pedra, Roque Santeiro… Que dificuldade aceitar a baixaria do que tem aparecido!

  • Putz, todo o mundo sabe que muitos homens trocam a mulher que tem em casa por uma bosta da rua, mas o Tom Hanks tupiniquim trocar Maria Cândida?… Só se fosse pela Paola de Oliveira e olhe lá!…
    Falar em Paola, uma das mulheres mais lindas do mundo, e talentosa, já provou isto em outras novelas, deve estar fazendo o papel mais difícil de sua vida: transformae-se em feia e dura para as lutas…. Mas, como policial, ela leva mais a vida namorando o Brucutu… KKKKKKKK

    O chato das atuais novelas, é que todas elas têm que ter gays…. Tá faltando argumento e sobrando apelação!…. Porra, pq não deixam essas pessoas que já são tão perseguida numa terra de homofóbicos?…. Mas não, tem que ficar expondo seus trejeitos, suas vidas, além de dar uma aula de opção sexual para as mentes em formação!
    E se acharem que sou discriminador, vão pra PQP!… Porque odeio discriminação! E isto está presente em muitas das minhas postagens!

    Parabéns para o papel da Lília Cabral…
    E Ceci [Luci Pereira] veio de mala e cuia lá de Velho Chico, com o mesmo sotaque!… E se acharem ruim, vais ser assim: todas as novelas com nordestinos, é com a velha Ceci mesmo y kkk! A novela é da Globo e ela faz as merdas que quiser KKKKKkk

    Uma coisa que admiro são escalações do papael de bundão, acertam todas!
    O papel de mulher-mala está sendo eximiamente interpretado pela juliana.
    O papel de Brucutu também ficou excelente com Humberto Martins.
    E não pensem que todas as sereias são chatas!…
    O resto, tudo é ARRIÉGUA, que, como os cearenses colonizaram e se espalharam pelo Norte do Brasil, comeram o ARRE e ficou só o ÉGUA!
    AQUI NÃO TEM NENHUMA VERDADE, NÃO FICA DICA NEM É SIMPLES ASSIM PORCARIA NENHUMA!… É APENAS UM OPINIÃO PARTICULAR SEM PRETENSÃO DE SABICHÃO!

    O Velhinho in: é noveleiro porque gosta mesmo, mas a formação em Letras e a pós com Especialização em Literatura Brasileira, só o deixa todo prosa, pela cara dos bundões que falaram que o Romantismo acabou [infelizmente muitos que sacanearam o cearense pai da nossa Literatura e do Romantismo no Brasil, morreram!…] Todo esse folhetim moderno vem como herança do velho e bom José de Alencar!… só entende o que eu digo quem tem o hábito da leitura!… e, babem, O Velhinho in: é um dos finalistas da nossa maior festa internacional de Literatura, a Off Flip 2017… É só abelhudar no Google!…

  • Rose dos Santos você disse tudo que tenho sentido sobre essa novela, tem uma trama interessante, mas os protagonistas Fiuk e Isis deixam muito a desejar. Enfatizo ainda sobre a personagem Ritinha que se pararmos para observar não tem nenhuma lógica, pois ela oscila muito de uma pessoa inocente para uma sarcástica; no fim acredito que todos ficam sem saber quem ela é de verdade. Esperava bem mais de uma Novela das 9.

  • Para mim a novela está razoável, o protagonista FIUK é péssimo ator se é que se possa chamar de ator, pois não sabe atuar, ele alegre, triste, preocupado, não tem diferença, a expressão sempre é a mesma, e nem expressão corporal ele tem. Desculpe mas falta para ele estudo para atuar ou melhor arrumar outra profissão. Com tantos atores bons …………
    O papel da Ivana já cansou sempre a mesma história, “Eu Não Sei Quem Eu Sou” já deu, já cansou, já irritou bastante.
    A Ritinha que papel mais chato de uma Nordestina que se faz de Inocente com o ar de deboche, irreverente e inconsequente que irrita e faz cara de menina de 10 anos e que não tem e nem passa sentimento no papel. Aliás em todos os trabalhos já feito, com aquele riso enjoado e olhar de menina quietinha. E sem contar que a história dela com sua mãe é muito chata, uma historia boba, ridícula que usa e abusa das pessoas. Insuportável.
    Resumo Glória sempre esperei com ansiedade sua novela, mas com Fiuk, e Isis como protagonistas deixou a desejar pare e observe eles atuando como se fosse expectador e você entenderá.
    Sinto muito e aliás observado e com a mesma opinião por alguns conhecidos meus também.

Deixe uma resposta