Crítica Velozes e Furiosos 8: bom, ruim, ótimo ou péssimo? | Cabine Cultural
Cinema Críticas Notícias

Crítica Velozes e Furiosos 8: bom, ruim, ótimo ou péssimo?

Crítica Velozes e Furiosos 8

Crítica Velozes e Furiosos 8

Direção por F. Gary Gray. Roteiro por Chris Morgan. Elenco: Vin Diesel, Dwayne Johnson, Jason Statham, Michelle Rodriguez, Tyrese Gibson, Chris Bridges, Nathalie Emmanuel, Scott Eastwood, Kurt Russell, Charlize Theron

Por Gabriella Tomasi

Velozes e Furiosos inegavelmente se tornou uma das franquias mais bem sucedidas que após dezesseis anos desde sua primeira estréia vem conquistando novos fãs. Durante a trajetória das sete sequencias tivemos algumas surpresas boas e outras…nem tanto. A sétima e última versão, por sua vez, deixou um certo gosto amargo com o falecimento repentino do ator Paul Walker durante as filmagens, mas o filme ainda conseguiu um ótimo resultado perante a crítica, o melhor até agora.

Leia também:  Crítica Paixão Obsessiva: um filme bom, ótimo, ruim ou esquecível?

Fato é que durante os anos percebemos uma ambição por parte dos produtores da franquia, ao apostar cada vez mais na ação e espetáculos visuais de corridas e rachas com carros esportivos conduzidos pelos habilidosos personagens. O entretenimento do espectador é prioridade e isso é visível. Porém, chegamos ao ponto de que este elemento se tornou tão, mas tão importante que já não há mais sequer a mínima preocupação de elaborar uma história verossímil por parte dos roteiristas de tal forma a não subestimar a inteligência de sua audiência. Nesta oitava sequencia, portanto, o resultado é um amontoado de conveniências e situações bastante previsíveis, improváveis e absurdas. Se você é fã dos filmes e realmente não se importa, este fator não irá afetar a forma de apreciá-lo. No entanto, em termos de qualidade cinematográfica, a ausência de uma narrativa minimamente realista e/ou humana prejudica que a trama não somente não seja crível, mas a torna também incrivelmente surreal.

Leia também:  Crítica: vale a pena assistir “Rei Arthur”, grande estreia da semana?

A história inicia na cidade de Havana, em Cuba, onde mostra homens com seus carros antigos e mulheres que somente chamam a atenção da câmera devido aos seus shorts e blusas curtos e colados (afinal, todas se vestem assim com suas roupas íntimas aparecendo certo? Errado). Lá, Dom Toretto (Diesel)… Continua a leitura




Deixe uma resposta