Crítica Paixão Obsessiva: amor, posse e o ódio | Cabine Cultural
Cinema Críticas Notícias

Crítica Paixão Obsessiva: amor, posse e o ódio

Paixão Obsessiva

Paixão Obsessiva

“Na verdade, o filme é um lembrete sobre o quanto podemos agir errado e pensar que estamos corretos”

Por NoSet

Paixão Obsessiva é, à primeira vista, um típico filme sobre traição e ciúmes… mas não é bem assim. Na verdade, o filme é um lembrete sobre o quanto podemos agir errado e pensar que estamos corretos.

A história aborda também um tema bem interessante: o recomeço de vida após um trauma. Sobre isso, temos duas lindas mulheres. Uma é Tessa Connover (Katherine Heigl), mulher elegante, bem sucedida e linda, porém cercada pelas lições e pressões de sua mãe, também uma socialyte. Do outro lado há a bela Julia Banks (Rosario Dawson), escritora em ascensão que se vale de uma plataforma digital parecida com o Wattpad (chamada no filme de Chapterpad, onde o escritor publica capítulo a capítulo). O que une as duas é o amor pelo mesmo homem, o empresário David (Geoff Stults), e também a filha dele com Tessa, a pequenina Lily (Isabella Rice). David não sabe, mas tanto Tessa quanto a própria Julia escondem problemas do passado que, infelizmente, irão colocá-las em rota de colisão.

Leia também:  Review GoT 7x01 “Dragonstone”: a volta de Game of Thrones foi boa?

Julia aceita o convite de David para morar com ela. A mudança é radical e implica em mudar tudo: vizinhança, modo de vida, novo ambiente e, inclusive, o convívio com o próprio David e sua filha. Mas Julia o ama e se esforça ao máximo para se aproximar de Lily. Eles planejam para breve o casamento, algo que desagrada demais Tessa. Apesar das aparências, aos poucos Tessa se revela uma mulher…Continua a leitura




Deixe uma resposta