Crítica Laerte: o mais novo e pioneiro documentário brasileiro da Netflix | Cabine Cultural
Cinema Críticas

Crítica Laerte: o mais novo e pioneiro documentário brasileiro da Netflix

Laerte

Laerte

Direção por Lygia Barbosa da Silva, Eliane Brum. Roteiro por Raphael Scire, Lygia Barbosa da Silva, Eliane Brum (com a colaboração de Nani Garcia). Elenco: Laerte Coutinho

Por Gabriella Tomasi

Laerte-se é o mais novo e pioneiro documentário brasileiro disponível na plataforma Netflix que acompanha os passos da mais famosa cartunista e chargista do país, Laerte Coutinho, responsável pela criação de tirinhas e charges como Overman, Suriá – A Garota do Circo, e Hugo para Principiantes. Em 2009, quando tinha 58 anos de idade, Laerte assume a sua identidade transgênica, e apoiando-se nisso, as diretoras Eliane Brum e Lygia Barbosa da Silva exploram o lado intrínseco dessa jornada e o que ela representou para a artista, a fim de quebrar preconceitos em relação ao movimento LGBT, em geral.

Leia também:  Crítica: Mulher do pai é um filme sensível e extremamente comovente

Essa abordagem é claramente visível nos minutos iniciais onde se mostra uma conversa por e-mail que ocorreu entre a cineasta Eliane e Laerte para combinar novamente um encontro e terminar o documentário. Laerte já demonstra certo desconforto em se expor, hesitando inicialmente em aceitar a continuidade das filmagens, provavelmente por receio ou medo de eventual hostilidade em relação ao tema e à sua pessoa com a distribuição do filme, porém Eliane a convence de que é extremamente importante usar a sua voz e sua figura pública como uma maneira de auxiliar a quebrar os preconceitos ainda existentes, pois postergar significaria “engrandecer os monstros”.

Leia também:  Netflix estreia no catálogo "S.O.S. Mulheres ao Mar", com Giovanna Antonelli

Por isso é tão essencial a discussão. A insegurança de Laerte apenas representa talvez como uma grande parte dessa comunidade ainda se sente…Continua a leitura

UCI OrientCinemas



Deixe uma resposta