Crítica Amor.com: vale a pena assistir? | Cabine Cultural
Cinema Críticas Notícias

Crítica Amor.com: vale a pena assistir?

Amor.com Filme

Amor.com Filme

Dirigido por Anita Barbosa. Roteirizado por Saulo Aride, Bruno Garotti, Leandro Matos. Elenco: Isis Valverde, Gil Coelho, Joaquim Lopes, João Cortes, Marcos Mion, Thaynara Oliveira Gomes, Alexandra Richter, César Cardadeiro, Aline Guimarães, Felipe Roque, Carol Portes

Por Gabriella Tomasi

Definitivamente a internet está sendo o objeto/alvo de exploração pelo mundo cinematográfico. No Brasil, houve algumas tentativas, ainda que visivelmente mercadológicas, como Eu Fico Loko e Internet – O Filme que intencionaram inserir e estudar as novas estrelas que nasceram nos canais de vídeo, principalmente no youtube, tendo algumas inclusive alcançado status de fama.

Neste sentido, Amor.com conta a história de Katrina (Valverde) uma vlogueira de moda bastante famosa que conhece e se apaixona por Fernando (Coelho), um rapaz que entende de computação e é também vlogueiro de um canal de videogames ainda não tão conhecido. Por conseguinte, o universo da moda e o nerd colidem. O relacionamento é exposto e bem comentado na internet de tal forma que a vida regrada de Katrina acaba gerando empecilhos no romance.

Essa é mais uma narrativa produzida com muitas influências do cinema hollywoodiano, com aquela história de amor que tem um grande início até os problemas abalarem suas estruturas para sermos conduzido ao final mais que satisfatório, esperado e previsível – nós sabemos para onde a história caminha e onde ela vai terminar. Há também a presença de todos os clichês de comédias-românticas dentro dela, mas que chegam a exagerar um pouco com a relação óbvia de amor-ódio entre a irmã de Katrina e o amigo de Fernando e uma mãe extremamente deslocada sem muita função que pessimamente compara um fim de um namoro com a morte do marido (chega a ser de mau gosto). Mas é uma narrativa mesmo assim bem cuidada a ponto de não retratar seus personagens caricatos ao extremo: Fernando, apesar de morar com a mãe já tem sua independência e é maduro, enquanto Katrina não chega a ser uma menina fútil por suas vulnerabilidades, e ainda demonstra força e consciência de que seu mundo é o seu ganha pão e precisa ser levado a sério como tal. E o melhor de tudo é que passamos a nos importar com o casal principal, pois a química entre os dois atores funciona muitíssimo bem. (Gosto particularmente de como a maquiagem vai suavizando aos poucos no rosto de Katrina conforme o amor entre eles evolui.)

Leia também:  Assista: Marvel divulga trailer de Guardiões da Galáxia 2 e confirma data de estreia

A direção de Barbosa tem um ritmo fluído e bem conduzido, como o lindo plano-sequencia que faz a passagem do tempo do desenvolvimento da relação entre Katrina e Fernando; as transições da tela da quarta parede para a tela do celular são muito bem feitas; assim como a sobreposição de planos dos códigos de programação e conversas por mensagem enaltecem o mundo conectado. Mas ainda acaba dando alguns tropeços com alguns close-ups que forçam demais a dramaticidade de algumas brigas do casal, e também a preferência para a perspectiva feminina que inevitavelmente deixa um pouco de lado às vezes o universo geek pelos olhos de Fernando.

Amor.com Filme

Amor.com Filme

Mas o maior problema é que o longa não explora tão a fundo as consequencias da internet como deveria, já que a simples leitura da sinopse e até mesmo do título indicaria que a tecnologia possivelmente teria um impacto mais definitivo no casal, o que não acontece. Com várias cameos de inúmeros vloguers e youtubers brasileiros atuais, é ainda possível fazer o espectador refletir a partir do que vemos em tela em relação à forma que o conteúdo da internet interfere e nos deixa levar em nossos relacionamentos e como às vezes a opinião alheia e a preocupação com o outro nos cegam para a realidade palpável, criando barreiras inexistentes, como por exemplo a foto que fora tirada de Katrina e outro homem com intuito malicioso, deixando Fernando com ciúmes. Porém, não sentimos realmente uma auto-crítica a esses aspectos, muito menos pela questão da importância exacerbada atribuída à imagem e ao regramento das condutas que giram em torno do mundo de Katrina, somente gerando uma discussão bastante superficial e circunstancial que visa enfatizar o relacionamento entre os dois personagens principais.

Leia também:  Crítica: vale a pena assistir Rock Dog – No faro do sucesso?

Em suma, Amor.com é um filme leve que atende e consegue conversar perfeitamente com o seu público-alvo. Para aqueles que procuram algo diferente em filmes do gênero irão se decepcionar um pouco, mas mesmo assim garante um alívio para o cinema nacional que ultimamente não tem sido bem sucedido em suas mais recentes produções.

Gabriella Tomasi é crítica de cinema e possui o blog Ícone do Cinema

Deixe uma resposta