Crítica: vale a pena assistir “Como se Tornar um Conquistador”? – Cabine Cultural
Cinema Críticas Notícias

Crítica: vale a pena assistir “Como se Tornar um Conquistador”?

UCI OrientCinemas

Como se tornar um conquistador

Como se tornar um conquistador

“A reviravolta ocorre quando Peggy se apaixona por um jovem vendedor de carros e expulsa Máximo da mansão, sem bens ou dinheiro”

Por NoSet

Feira de Adoção Cães e Gatos

A cena de abertura de Como se Tornar um Conquistador (How to Be a Latin Lover) é brilhante. Ela faz você acreditar que você verá uma ótima comédia de humor negro. Descontados estes cinco primeiros minutos, os restantes cento e dez não entregam tudo o que o início prometeu.

O personagem principal, Máximo, interpretado por Eugenio Derbez, sofre um trauma com a morte prematura do seu pai, um homem que dedicou a vida ao trabalho. Decide, então, que será rico sem trabalhar. Torna-se um gigolô. Ainda jovem e bonito, seduz e casa com Peggy (Renée Taylor), uma mulher milionária, que já havia passado dos sessenta anos de idade e que estava com a saúde debilitada.

Há um corte para vinte e cinco anos depois. Peggy, inesperadamente, ainda goza de boa saúde e Máximo leva uma vida de luxo e ócio, embora não ostente mais a velha forma física. A reviravolta ocorre quando Peggy se apaixona por um jovem vendedor de carros e expulsa Máximo da mansão, sem bens ou dinheiro…

UCI OrientCinemas

Sobre o autor

Redação

Redação

Matéria produzida pela equipe do site.
Copyright © 2018. Cabine Cultural: arte, cultura, entretenimento; cinema & tv

Deixe uma resposta