Crítica: "Getulio, o filme" chega a Netflix. Vale a pena assistir? | Cabine Cultural
Cinema Notícias

Crítica: “Getulio, o filme” chega a Netflix. Vale a pena assistir?

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Getulio

Getulio

Filme é inspirado em fatos reais e conta os últimos momentos de um dos presidentes mais marcantes da história do país

Neste sábado, dia 5 de agosto, a Netflix passou a incluir em seu catálogo um dos filmes brasileiros mais marcantes destes últimos anos. Ao menos na tem ética. Estamos falando de “Getulio”.

Será que vale a pena assistir?

Inspirado em fatos reais, com ótima direção de arte, roteiro objetivo e enxuto, ótima fotografia de Walter Carvalho tendo como principal cenário o Palácio do Catete, o filme consegue manter um ritmo de trama onde a trilha sonora transmite agilidade, e apesar de sabermos o desfecho da história, cria-se uma curiosidade sobre os fatos políticos dessa época. Tem momentos de filmagem em que nos sentimos espreitando as pessoas e o ambiente tão cheio de memórias.

Leia+  Crítica: Cinema Especial da Globo exibe “Vingança ao Anoitecer” nesta quinta

Passado no ano de 1954, no Rio de Janeiro, Capital Federal, conta os 19 últimos dias de vida do mais importante político brasileiro, o Presidente Getúlio Vargas. Mostra o atentado da Rua Toneleiro, que matou o major Rubens Vaz e feriu o jornalista e político Carlos Lacerda. E a pressão sofrida no governo de Getúlio, em especial a sua pessoa, levando-o ao suicídio, em 24 de agosto de 1954.

Getúlio Vargas foi Presidente do Brasil por 2 períodos; no primeiro mandato permaneceu no poder por 15 anos (1930 a 1945) e da segunda vez pelo voto popular, por 3 anos e meio. Como ele mesmo fala no início do filme “fui um ditador e não me arrependo”, adorado pelo povo, era chamado de “pai dos pobres”, criou leis sociais e trabalhistas e o “getulismo”  deixou sua marca até os dias atuais. Homem de atitudes fortes, chegou até a rasgar a constituição nacional, gostava de comandar e era adorado por muitos, mas também tinha inimigos na oposição.

Leia+  Cinema: filmes de Ben Affleck que devem ser vistos para amar ou odiar

No papel principal o ator Tony Ramos consegue um desempenho de primeira grandeza, com uma caracterização do personagem digno de aplausos. A semelhança do ator com a figura política e o pai extremado, as reações sutis, o charuto na boca, é de impressionar. Mostra também o lado pai, o apego que ele tinha a sua filha Alzirinha Vargas (Drica Moraes) e como ela participava ativamente da vida política do pai, inclusive dando palpites nas reuniões ministeriais. A atriz Drica Moraes tem um desempenho de peso no filme.

Resumindo: um filmaço.



  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta