Crítica: Supercine deste sábado exibe o sensacional “Tim Maia”, biografia do gênio da música
Notícias Televisão

Crítica: Supercine deste sábado exibe o sensacional “Tim Maia”, biografia do gênio da música

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Tim Maia, o filme

Tim Maia, o filme

Filme arrancou elogios de todos que viram e mostra a vida e obra de Tim, um dos maiores nomes da música brasileira em todos os tempos; neste sábado, da 5 de agosto

Nesta sábado, dia 5 de agosto, a sessão Supercine está mais que especial, principalmente para os amantes da música brasileira. Um dos maiores gênios, Tim Maia, será o tema desta noite que promete ser mais que gratificante para quem for ficar em casa.

O filme, “Tim Maia”, foi um dos mais elogiados de 2014, e entrou para a lista de grandes cinebiografias de músicos do cinema.

Imperdível.

O filme
Cinebiografia do cantor Tim Maia, baseada no livro “Vale Tudo – O Som e a Fúria de Tim Maia”. O filme percorre cinquenta anos na vida do artista, desde a sua infância no Rio de Janeiro até a sua morte, aos 55 anos de idade, incluindo a passagem pelos Estados Unidos, onde o cantor descobre novos estilos musicais e é preso por roubo e posse de drogas.

Crítica
O filme, dirigido pelo cineasta Mauro Lima (de Reis e Ratos e Meu nome não é Johnny), é um interessante documento histórico para qualquer pessoa que deseja conhecer um pouco da vida de Tim, bem como de um momento da história de nossa música. É de uma cumplicidade tamanha acompanhar o nascimento de um gênio e perceber que toda a sua trajetória foi marcada por grandes altos e baixos, e por uma relação bem desequilibrada do cantor com o álcool, sobretudo. Assim, o primeiro sentimento que vem à tona quando o espectador se vê diante do filme é o de cumplicidade, o de acompanhar bem de perto um dos momentos mais ricos da música popular brasileira.

Para esta relação ser mais estreita, o roteiro escolheu colocar um narrador durante todo o filme. Este narrador é o grande amigo de Tim Maia, Fábio, que na trama é interpretado pelo galã Cauã Reymond. Esta estrutura narrativa, que no início, e em alguns momentos, até serve para deixar alguns acontecimentos mais claros, vai se desgastando com o passar dos minutos (e são 120 minutos de filme), se tornando não somente desnecessária, como até mesmo atrapalhando a fluidez natural da trama.

Tim Maia, o filme, é mais um destes documentos interessantes para todo e qualquer brasileiro que deseja entender um pouco mais de nossa história. A música, que tem esse poder de explicar o contexto histórico de um país, é o fio condutor de um filme, que se não é poderoso narrativamente, é ao menos relevante. Tim Maia segue feliz onde quer que esteja.


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta