Crítica: temporada do MasterChef foi ruim, boa, ótima ou a melhor? | Cabine Cultural
Crítica televisão Notícias Televisão

Crítica: temporada do MasterChef foi ruim, boa, ótima ou a melhor?

Os três semifinalistas Deborah, Valter e Michele

Os três semifinalistas Deborah, Valter e Michele

Temporada acaba na semana que vem e a pergunta então se faz necessária: essa edição foi boa? Valeu a pena assistir todos os episódios?

O MasterChef desta terça, dia 15 de agosto, define os dois candidatos finalistas desta temporada, que termina na semana que vem. Foram alguns meses de muita competição, personagens, histórias, polêmicas e a pergunta que fazemos é: como definiremos esta temporada do programa de culinária mais interessante da rede aberta?

Antes de responder se valeu a pena assistir a temporada, podemos ver o que de bom e de ruim aconteceu nesta edição.

Para começar, os participantes. Todas as edições temos participantes que se destacam por serem bons, por serem polêmicos, por serem mal educados, simpáticos, etc. Nesta temporada não foi diferente.

Tivemos aquelas pessoas que entraram nos corações dos fãs, como Yuko, eliminada no meio da temporada. Ela foi de longe a mais simpática de todos e saiu com um índice de admiração bem grande. Outro bom nome foi Vitor B, o canastrão que ganhou o respeito de todos ao longo dos programas. Outra pessoa que se destaca pela sua postura é Michele, que ainda tem chances de vencer esta edição.

Feira de Adoção Cães e Gatos

No lado negativo tivemos Mirian, de longe a candidata mais polêmica e muito disso por conta de sua postura mais intransigente. Suas brigas com Fabricio alimentaram por um bom tempo o programa, mas no final até que ambos saíram bens.

Do lado negativo tivemos o vazamento de informações, inclusive das eliminações. O problema foi ainda maior com relação à Ana Luísa, candidata acusada de ter enganado a produção do programa por já ter tido experiência profissional. Ainda não foi comprovado, mas a lembrança sempre ficará.

Tivemos também candidatos que desrespeitaram os jurados e o próprio programa, como Deborah, em algumas situações, e principalmente Caroline, que chegou a duvidar da honestidade da edição.

Para finalizar as questões negativas, vimos algumas vezes os jurados com argumentações estranhas, como na prova em que Yuko foi eliminada, por exemplo. Por várias vezes os fãs do programa ficaram desconfiados de que algo acontecia para eliminar ou salvar algum candidato. Não se pode provar, mas o fato é que por vezes estranhamos as opiniões do Chefs.

Porém, a edição do programa, e as provas continuaram sendo ótimas. Esse é o diferencial do MasterChef, um programa que consegue levar emoção, quando a edição é bem feita. O programa em que Vitor B se acidentou, teve que sair do programa, mas voltou no final foi dos mais emocionantes da história do programa e valeu a pena ter visto.

Os jurados continuam ótimos, apesar de alguns excessos. É de longe o melhor grupo de jurados de programas do gênero.

Ana Paula Padrão também vem melhorando bastante e hoje em dia ela não atrapalha tanto os candidatos e o próprio MasterChef.

Entre prós e contras, esta edição do MasterChef não foi a melhor de todas, mas ainda assim consegue ser um dos melhores programas da televisão aberta no Brasil. Sempre valerá a pena assistir, mesmo com o programa derrapando as vezes em várias questões.

Então, respondendo a pergunta, diríamos que esta edição foi uma boa edição do MasterChef. E se a candidata vencedora/ou vencedor, for alguém que realmente mereça, podemos até colocar a edição como muito boa.

UCI OrientCinemas

Deixe uma resposta