Lançado pela Intrínseca, “A Vida que Enterramos” é o melhor livro deste mês de setembro
Crítica literária Literatura Notícias

Lançado pela Intrínseca, “A Vida que Enterramos” é o melhor livro deste mês de setembro

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A Vida que Enterramos

A Vida que Enterramos

Narrativa envolve um crime realizado décadas atrás, um trabalho de finalização de curso e um relato sobre culpa e verdade; entendeu? Só lendo para saber

A Editora Intrínseca lançou algumas obras muito interessantes neste mês de setembro, mas até então nenhuma é tão instigante quanto “A Vida que Enterramos” do escritor Allen Eskens.

Site do livro

Claro que não conseguimos ter acesso a todos os livros, mas é certo que a trama do escritor e advogado criminalista americano se encontra entre as ótimas escolhas da editora para este semestre. Uma narrativa instigante, intrigante, que envolve vários elementos que fisgam qualquer amante de uma boa leitura: tensão, drama, suspense e… um assassinato. Sim, no centro de tudo um assassinato, com o agravante de ter sido complementado por um estupro.

Leia um trecho em PDF

A narrativa soa pesada demais descrevendo, mas até que a leitura não é tão sóbria, até porque a dinâmica do personagem central, em volta com o fim de seu curso, equilibra muito isso.

Entendendo a história
 A única coisa que Joe Talbert deseja é terminar o trabalho da faculdade: entrevistar um estranho e escrever uma breve biografia. Com os prazos se aproximando, o garoto decide ir a um asilo para encontrar o tão desejado objeto de trabalho. Lá ele conhece Carl Iverson e logo a vida de Joe vai ter mudado para sempre.

Capa A Vida que Enterramos

Capa A Vida que Enterramos

Veterano da Guerra do Vietnã, desenganado com apenas alguns meses de vida, Carl foi internado na casa de repouso em liberdade condicional devido ao estágio avançado de câncer depois de trinta anos preso pelos crimes de estupro e assassinato. À medida que escreve sobre a vida de Carl, principalmente sobre o período que o homem passou na guerra, Joe começa a ter dificuldade de conciliar o heroísmo do soldado com os desprezíveis atos do criminoso. Acompanhado de Lila, sua vizinha cética, Joe se lança em uma busca pela verdade, mas lidar com a mãe perigosamente disfuncional, a culpa de deixar o irmão autista sozinho em casa e uma lembrança assustadora vão malograr seus esforços.

Fio por fio, Joe começa a desfazer a intricada tapeçaria do crime de Carl, mas, quanto mais se aproxima das reais circunstâncias do crime, mais nós aparecem. Joe vai conseguir descobrir a verdade ou já é muito tarde para escapar?

Assim, lemos uma trama sobre busca da verdade, culpa, e uma série de outros elementos mais periféricos, que na narrativa, entretanto, servem como um enriquecimento da narrativa.  “A Vida que Enterramos” tem como elemento chave essa relação de Joe e Carl, sobretudo nas conversas. Não é uma trama de ação física, mas que incomoda, no bom sentido, o leitor de uma forma tão poderosa como se estivéssemos diante de uma história sobre um campo de batalha ou algo do tipo.

“A Vida que Enterramos” é perfeito para quem gosta de um drama, para quem gosta de uma boa trama com elementos jurídicos e simplesmente para quem gosta de uma boa leitura.

O autor

Allen Eskens é advogado criminalista e aprimorou suas habilidades de escrita criativa no renomado programa MFA da Minnesota State University. A vida que enterramos, sua estreia, ganhou o Rosebud Award de Melhor Primeiro Livro de Mistério de 2014.

SERVIÇO
Formato(s) de venda: livro, e-book
Tradução: Renato Marques e Alexandre Raposo
Páginas: 272
Gênero: Ficção
Formato: 16 x 23 x 1,4
ISBN: 978-85-510-0244-5
E-ISBN: 978-85-510-0245-2
Lançamento: 05/09/2017

Comprar


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta