Crítica: vale a pena ir ao cinema assistir Thor: Ragnarok?
Cinema Críticas Notícias

Crítica | Thor: Ragnarok – Vale a pena ir ao cinema assistir?

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Thor Ragnarok

Thor Ragnarok

Com suas cores berrantes e história descompromissada, Ragnarok representa para a Marvel uma reformulação total de sua proposta

Por João Paulo Barreto

Após dois filmes insossos, a percepção de que Thor era um personagem que não funcionava muito bem em carreira solo dentro do universo cinematográfico da Marvel estava confirmada. Junto aos Vingadores, o filho de Odin conseguia se destacar de forma eficiente devido ao investimento dos roteiristas em sua interação um tanto cômica com os colegas de equipe, além de em uma suposta seriedade existente na presença de um Deus entre os humanos. Acrescente a isso a sua capacidade destrutiva com o martelo Mjölnir, some a interação violenta com o Hulk e, pronto, lá estava uma figura a se destacar naquele ritmo de videogame que o diretor Joss Whedon deu aos dois primeiros Vingadores.

Porém, ao retirá-lo daquele contexto de equipe e colocá-lo para resolver os problemas tanto de seu planeta, Asgard, quanto do que resvalava de lá para a Terra (leia-se Loki, renegados alienígena e alguns monstros a destruir Londres), a figura mitológica de Thor parecia não engatar satisfatoriamente nas aventuras dirigidas por nomes como o do shakespeariano Kenneth Branagh (algo muito bem vindo na primeira aventura) e o de Alan Taylor, este, dono de uma carreira prolífica na TV, mas sem muito destaque no cinema.

Eis que chega o desconstrutor neozelandês Taika Waititi e resolve quebrar esse paradigma. A partir do roteiro escrito pela dupla oriunda dos quadrinhos, Craig Kyle e Christopher Yost (este último, um dos responsáveis pela parte dois, O Mundo Sombrio), além do exclusivo Marvel, Eric Pearson, Waititi investe exatamente nisso: na desconstrução do personagem e de quase todos os elementos que representam Thor em sua suposta complexidade e força. Coloque nessa conta, então, a destruição do Mjölnir e a perda tanto das madeixas loiras… Continue a leitura


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta