Crítica | Terra Selvagem é merecedor de prêmios nesta temporada
Capa Cinema Críticas Notícias

Crítica | Terra Selvagem é merecedor de prêmios nesta temporada

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Terra Selvagem cinema

Terra Selvagem nos cinemas

Filme equilibra drama com suspense e traz Jeremy Renner em personagem bem diferente do habitual

Sem muito alarde estreou no Brasil o filme Terra Selvagem, novo trabalho do cineasta Taylor Sheridan, que tem no currículo algumas obras que beiram o genial, como A Qualquer Custo e Sicário. Desta vez ela largou o oeste americano, ambientação de A Qualquer Custo, e foi para o frio. O clima do filme, entretanto, continua pesado, com carga dramática que ele vem dominando em seus projetos.

Sim, Terra Selvagem é um drama daqueles. Adulto, maduro, pesado e, sobretudo, maravilhoso. A história acompanha uma agente novata do FBI, que faz par com um caçador local com extensas ligações com a comunidade local e um passado que o persegue, para investigar um assassinato de uma garota local em uma remota Área de Preservação Indígena Americana, na esperança de solucionar sua misteriosa morte.

O grande destaque do filme é o ator Jeremy Renner, que deixa temporariamente o set de Os Vingadores para dar vida a Cory (Jeremy Renner), caçador de coiotes e predadores traumatizado pela morte da filha adolescente, que encontra o corpo congelado de uma menina em meio ao nada e inicia uma investigação sobre o crime com o auxílio de uma agente novata do FBI (Elizabeth Olsen) que desconhece a região.

Logo ao seu lado temos Elizabeth Olsen, a mais nova e aparentemente mais talentosa das irmãs Olsen. Ela consegue passar toda a inexperiência de uma agente do FBI em início de carreira, mas não que ela seja um desastre enquanto policial. O fato é que o filme joga um personagem em um ambiente absolutamente distante do dele. Esta é a primeira sacada de Terra Selvagem. O ambiente, que já é perigoso para os personagens que vivenciam o dia a dia, se torna ainda mais hostil para uma mulher policial nova do FBI.

Terra Selvagem e a trilogia da perda

Quem assistiu Sicário e A Qualquer Custo, vai absorver Terra Selvagem como mais uma parte de um todo, certamente a terceira parte de uma trilogia. São filmes que não somente flertam, mas de certa forma se casam. São violentos, e mostram a violência que é inerente ao ser humano, mas principalmente aquela violência que é resultado de um contexto social, seja a falta de dinheiro, seja o subemprego, seja a falta de perspectiva de futuro.

Todos estes temas assolam de alguma forma a sociedade americana nestes últimos tempos e a consequência nós podemos ver em filmes como Terra Selvagem ou A Qualquer Custo.

Mas o filme também é um drama, daqueles que qualquer pessoa se identifica, independe de onde seja. Na história temos duas grandes perdas, uma que carrega o personagem de Jeremy Renner e outra que faz o filme andar, que é a premissa da trama. E nos dois casos o diretor busca mostrar o quanto a dor da perda é dura para quem fica, para quem permanece vivo.

 Outro tema, mais específico da sociedade americana, e que vem sendo levado cada vez mais para o cinema, é a questão da reserva natural indígena, e o quanto estas reservas mudaram com os problemas sociais tão comuns em cidades grandes.

Terra Selvagem constrói um belo suspense, com ótimas doses de ação e de drama. Para se assistir e para torcer em futuras premiações do cinema.

INFORMAÇÕES
Terra Selvagem | Wind River
Direção: Taylor Sheridan
Elenco: Jeremy Renner, Elizabeth Olsen, Jon Bernthal
Gênero: Suspense / Ação
País: EUA
Ano: 2017
Duração: 110 min


  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta