Crítica 13 Dias Longe do Sol | Um drama dentro de um drama
Crítica televisão Notícias Televisão

Crítica 13 Dias Longe do Sol | Um drama dentro de um drama

  •  
  •  
  •  
  •  
13 Dias Longe do Sol

13 Dias Longe do Sol

13 Dias Longe do Sol, minissérie da Rede Globo estreia nesta sexta e traz a tona um tema utilizado em filmes; Selton Mello e Carolina Dieckmann

Nesta sexta, dia 5 de janeiro (segunda, dia 8 de janeiro), estreia na Rede Globo a minissérie 13 Dias Longe do Sol. A temática, e toda a evolução do episódio piloto, trazem lembranças de alguns filmes e situações vistos no cinema nestes últimos anos, como o filme Os 33, sobre os mineradores chilenos que ficaram presos em uma mina após ela explodir.

Porém uma situação de resgate por si só não segura uma minissérie, nem um filme, diga-se de passagem. E por conta desta percepção que a equipe de roteiristas precisou criar um drama dentro de outro drama. Assim, temos logo no episódio piloto, situações que tem como função prender o espectador para a história mais geral, que envolve cada um dos personagens da trama.

Leia+  Safe: 2º episódio mantém ritmo e aprofunda trama

Temos como protagonista Saulo, interpretado por Selton Mello. Com poucos minutos de trama sabemos que ele era casado, mantinha um caso com Marion, vivida por Carolina Dieckmann. Ele acabou se separando, mas a sua relação com Marion não foi pra frente e terminou mal. Marion é filha do dono do prédio que está sendo construído e que Saulo está a frente. Com este contexto já vemos um drama latente.

Mas a trama é sobre um prédio que cai. Assim, os principais personagens da trama tendem ser os que ficaram nos escombros nos tais 13 dias que o título mostra. E temos dramas de todos os tipos: pai que está sem falar com a filha, personagem que está devendo dinheiro para colega de trabalho. Do lado de fora temos filho que briga com pai. E assim somos apresentados a 13 Dias Longe do Sol.

Leia+  Crítica: Tela Quente desta segunda exibe o tenso Noite sem Fim

Vale a pena assistir?

A julgar pelo episódio piloto, a trama se mostra eficiente, mas sem tanta tensão como esperado. Os primeiros minutos, até a parte mais final do piloto, acabam contextualizando a história. Sem um ritmo forte em seu piloto, resta saber se daqui pra frente o ritmo engrena. Ao que tudo indica, pela cena final do piloto, as coisas realmente vão se intensificar mais, e cenas de ação prometem agregar ao drama já anunciado.

A qualidade do roteiro, da direção e da fotografia, faz da minissérie um deleite pra quem gosta de cinema, ou de televisão de alto nível. Cabe agora acompanhar a trama para saber se o roteiro vai entregar situações crescentes, e não vai emperrar, como algumas séries da emissora.

Leia+  Crítica: Tela Quente desta segunda exibe o tenso “No Olho do Tornado”
Assista ao trailer

Sobre o autor

Luis Fernando Pereira

Luis Fernando Pereira

Possui grande experiência na área de jornalismo cultural. Além de editor do site é colunista dos sites Coisa de Cinema, Midiorama e Feminino e Além. Fez parte de um dos júris do VII Festival Internacional Panorama Coisa de Cinema.

Deixe uma resposta