Crítica | As Aventuras de Paddington 2: retrato do mundo atual
Cinema Críticas Notícias

Crítica | As Aventuras de Paddington 2

  •  
  •  
  •  
  •  
As Aventuras de Paddington 2

As Aventuras de Paddington 2

Dirigido por Paul King. Roteirizado por Paul King, Simon Farnaby. Baseado no personagem Paddington Bear por Michael Bond. Elenco: Hugh Bonneville, Sally Hawkins, Brendan Gleeson, Julie Walters, Jim Broadbent, Peter Capaldi, Hugh Grant, Ben Whishaw, Madeleine Harris, Samuel Joslin.

Por Gabriella Tomasi

Em 2015 assistimos pela primeira vez às aventuras do ursinho Paddington em live action, o personagem criado nos livros de Michael Bond que parte do Peru para Londres para encontrar um lar. Ao contrário da experiência pavorosa que tivemos com The Smurfs em 2011 e em 2013, Paul King trouxe um longa com CGI de qualidade que interage de forma orgânica e crível entre os personagens reais e ainda extrai uma empatia gigante de seus expectadores com seu roteiro. A nova sequencia de Paddington não somente prova que se pode manter a boa técnica, mas também prova que ainda pode superar a si mesmo.

Essa inovação se dá pelo fato de que seu roteiro é em sua boa parte expositivo, mas a sua narrativa se recusa a ser explanatória. Para tanto, King emprega os mais diversos recursos, como a animação em 2D, retratos falados, livros pop-ups animados e outras técnicas que trazem uma dinamicidade e um toque divertido para as explicações que o longa possui, como a origem de um livro, um detalhe lembrado sobre um roubo, entre outros momentos. Da mesma forma, a história consegue ser incrivelmente inteligente, empregando cada detalhe cômico como um instrumento útil para a narrativa. A título de exemplo, podemos perceber no fato de que Mary (Hawkins) começou a nadar e posteriormente a vemos mergulhando na água com um propósito; Judy (Harris) tem seu próprio jornal e faz um trabalho investigativo para ajudar e divulgar a situação de Paddington (Whishaw); Jonathan (Joslin) redescobre sua paixão por trens ao ajudar a família e até mesmo detalhes pequenos como a yoga que Henry (Bonneville) pratica o auxilia em algum momento.

Em outros aspectos a direção de arte e a fotografia trabalham em conjunto para trazer vida ou evocar tristeza nos ambientes. Em Paddington 2 fica mais claro ainda quanta felicidade, quanto carinho e simpatia o seu protagonista traz para seus vizinhos e pessoas próximas. Reparem, por exemplo, quando no início as cores primárias (azul, amarelo e vermelho) predominam a casa dos Browns, indicando um ambiente vivo e alegre, e o exterior, por sua vez, é bastante iluminado pelo sol. No entanto, quando Paddington vai preso a fotografia escurece, as pessoas se tornam mais intolerantes e o sol parece ter desaparecido. Por outro lado, o ursinho traz outro tipo de alegria na cadeia e uma convivência bem melhor entre as pessoas, o que ocorre no instante em que ele acidentalmente tinge os uniformes dos presidiários de rosa.

Mas o que chama mais atenção são as relações que se estabelecem ao longo da narrativa. Paddington, apesar de adotado pela família Brown, possui contatos mais próximos com pessoas imigrantes como ele, de diferentes raças, nacionalidades, personalidades, etc, e ao final reforça essa união, essa identificação com as injustiças que Paddington acaba passando, o que diz muito sobre a realidade britânica e, inclusive, mundial. A história, portanto, revela-se a perfeita maneira de ressaltar a igualdade e a humanidade em cada um de nós. Além disso, de uma forma bastante delicada, traz arcos importantes e lições de vida que valem a pena serem ressaltados: Judy experimenta a independência feminina, Jonathan tenta se encaixar nos padrões de seus colegas, assim como explora-se outras temáticas como bullying e violência. Como resultado, a mensagem que fica é que todos nós podemos fazer um mundo melhor se olharmos para nós mesmos e praticar o bem. Nas palavras da tia Lucy diz: “Se somos educados e gentis, o mundo será justo” e, sem isso, o ambiente volta a ser menos “paddington”.

As Aventuras de Paddington 2 é, por fim, um retrato extremamente sensível da situação em que o mundo está vivendo.

Tudo isso recheado com muita geléia, é claro.

Principais informações
Data de publicação:
Título da publicação:
As Aventuras de Paddington 2
Classificação:
41star1star1star1stargray

Sobre o autor

Gabriella Tomasi

Gabriella Tomasi

Gabriella Tomasi é crítica de cinema, graduanda em letras, membro do coletivo de mulheres críticas de cinema – ELVIRAS, e possui o blog Ícone do Cinema

Deixe uma resposta