Crítica: The Square - A Arte da Discórdia | Um dos favoritos ao Oscar
Cinema Críticas Notícias Oscar

Crítica: The Square – A Arte da Discórdia

  •  
  •  
  •  
  •  
Crítica: The Square - A Arte da Discórdia

Crítica: The Square – A Arte da Discórdia

Dirigido e roteirizado por Ruben Östlund. Elenco: Claes Bang, Elisabeth Moss, Dominic West, Terry Notary, Christopher Læssø

Por Gabriella Tomasi

The Square fora recentemente agraciado com uma indicação a Melhor Filme Estrangeiro no Oscar de 2018 e é um dos favoritos dos críticos. Em resumo, trata-se de uma sátira para fazer um retrato muito específico da sociedade moderna evocando um desconforto em seu espectador para atingir tal efeito. Na sua trama, Christian (Bang) se torna o novo curador do Museu de Arte Contemporânea de Estocolmo, e, ao organizar a sua primeira exibição, ele divulga uma obra de arte que dá nome ao título de longa, ou seja, um quadrado iluminado fixado na entrada do local, onde, dentro dele, as pessoas devem se tratar de forma igualitária.

Leia+  Aaron Cutler e Carla Italiano | Mambéty e Rouch, documentos sobre a criação de um mundo

Essencialmente, o longa traça o contraste das bandeiras idealistas da arte e a realidade das relações humanas, assim como o seu espírito (ou falta dele) de comunidade, abordando, para tanto, o individualismo e egocentrismo sob forma de comédia. Sendo assim, Östlund desenvolve as mais diversas situações desconfortáveis pelas quais o protagonista passa, mas que cada um possui um significado narrativo bastante importante. Reparem como em todo lugar o protagonista é abordado e incomodado pelas pessoas, como um bebê chorando, a cobrança de um relacionamento após uma noite casual, ou um macaco na sala, problemas com uma das artes em exibição, entre outros.

Em relação a esse ego humano exacerbado, podemos mencionar a cena dos minutos iniciais do filme, quando são roubados a carteira e o celular de Christian. Há um sentimento muito grande de desconfiança por parte da população em geral, o tempo todo, principalmente quando pedintes e mendigos são esquecidos e/ou ignorados na rua enquanto pessoas caminham ao lado deles com seus olhos penetrados em seus smartphones e sempre com muita pressa… Continua a leitura

Principais informações
Data de publicação:
Título da publicação:
Um dos favoritos ao Oscar de filme estrangeiro
Classificação:
51star1star1star1star1star

Sobre o autor

Gabriella Tomasi

Gabriella Tomasi

Gabriella Tomasi é crítica de cinema, graduanda em letras, membro do coletivo de mulheres críticas de cinema – ELVIRAS, e possui o blog Ícone do Cinema

Deixe uma resposta