Festival Olhar de Cinema | O falso movimento das utopias
Cinema Críticas Notícias

Olhar de Cinema | O falso movimento das utopias

  •  
  •  
  •  
  •  
Djon África

Djon África

 

Dois filmes portugueses, “Djon África” e “A Árvore”, em destaque nos primeiros dias do festival curitibano

Por Adolfo Gomes

O primeiro movimento é acelerado, vibrante – como uma canção cabo-verdiana.  Estamos em companhia do jovem Miguel Moreira em “Djon África” no seu deslocamento da periferia de Lisboa até sua Terra Natal, no além-mar. O filme de Filipa Reis e João Miller Guerra abriu a sétima edição do “Olhar de Cinema – Festival Internacional de Curitiba. Outra produção lusitana, realizada no estrangeiro ( Sarajevo), por André Gil Mata, “DRVO – A Árvore”, também mereceu destaque no primeiro dia da mostra competitiva do evento.

A despeito do mesmo caráter itinerante da obra de Filipa Reis e Miller, podemos dizer que produção de Mata é a própria antítese formal do primeiro. Aqui, cada plano é como um cerimonial do tempo, uma prova de fé na duração como imanência dos sentimentos e da memória. Em comum, aos dois filmes portugueses,  um sentido grave e melancólico de desterritorialização.

Leia+  De Repente Uma Família: diversão bem gostosa para uma tarde de domingo

Um dos curadores do “Olhar de Cinema”, Aaron Cutler, destacaria na apresentação da sessão de “A Árvore” essa característica tão portuguesa de se lançar a outros lugares – ainda há um terceiro representante de Portugal no festival paranaense que, da mesma forma, transcorre fora o País, em Moçambique: “Our Madness”, de João Viana (na mostra “Novos Olhares”).

Por ora, há pouco a especular sobre esse trânsito recorrente, a busca por novos horizontes geográficos para abrigar histórias de guerra, loucura e ancestralidade. O que temos, mais concretamente, diante dos nossos olhos é uma sombra incômoda de estilos tão díspares quanto o imaginário poético africano e o meditativo – e, às vezes, anárquico – poder de fabulação eslavo. Mais ou menos ( para lembrar um dos grandes realizadores homenageados pelo evento) , seria o equivalente entre a força instintiva de Mambéty   e a sempre abissal imersão reflexiva de Béla Tarr.

Leia+  Crítica: Infiltrado na Klan, um dos melhores e mais importantes filmes do ano

“Djon África” é solar, malemolente, mas algo desencantado nesse movimento interrompido em busca do pai; mas, sobretudo, da tautológica promessa utópica e redentora da Mãe- África. Já “DRVO” se estende à margem das bombas, do horror, para fazer do seu percurso, do encontro entre um homem e uma criança em meio ao caos dos conflitos territoriais, um esboço sobre a perenidade da natureza . O filme de Gil Mata abre com uma epígrafe de Kafka sobre a aparente força que nos liga às raízes, “que nos prende ao chão”. Mas o escritor tcheco ainda nesse fragmento nos lembra: “…É também só uma aparência”. Aos dois filmes faltam um pouco desse ceticismo, dessa clarividência lúcida sobre os nossos deslocamentos e a aporia intransponível que se impõe à nossa existência,  seja qual o lugar que escolhamos para a fuga.

Leia+  Disney lança vídeo fantástico de “O Quebra-Nozes e os Quatro Reinos”



Robin Hood
A Voz do Silêncio

Sobre o autor

Adolfo Gomes

Adolfo Gomes

Adolfo Gomes é cineclubista e crítico de cinema filiado à Abraccine. Curador de mostras e retrospectivas, entre as quais “Nicholas Philibert, a emoção do real”, “Bresson, olhos para o impossível” e “O Mito de Dom Sebastião no Cinema”. Coordenou as três edições do prêmio de estímulo a jovens críticos “Walter da Silveira”, promovido pela Diretoria de Audiovisual, da Fundação Cultural da Bahia.

Deixe uma resposta