Novela Segundo Sol: Realidade triste de muitas mulheres
Notícias Televisão

Segundo Sol: Realidade triste de muitas mulheres

  •  
  •  
  •  
  •  
Segundo Sol

Segundo Sol

Segundo Sol: “Os relatos contam histórias distintas, que têm na utilização abusiva da tecnologia um ponto comum”

Por Feminino e Além

Ouvi muitos comentários sobre (FINALMENTE) a liberação para que as mulheres sauditas possam dirigir. Que absurdo, não é? Nesta situação, lembrei da cena de sábado (23/06) de Agenor e sua esposa Nice, em “Segundo Sol”. Ela resolveu fazer quentinhas para ajudar nas despesas e, em primeiro lugar, se sentir útil em sua própria vida. Ele descobriu e deu-se a discórdia. Cenão, claro! Só que triste quando as letrinhas da novela sobem e você entende que aquilo é realidade.

Leia+  Na Netflix: “Felicidade Por Um Fio” e transição capilar

Roberto Bonfim tem um personagem forte e preciso: um homem antiquado, homofóbico, cheio da “tal razão” e canalha com a esposa a quem impõe um respeito absurdo. A frase dita “Pode chorar à vontade” transmitiu a realidade de muitas por este Brasil. Mundo, não é? Já que comecei falando das sauditas.

Não chegamos ainda à violência física. Também não sei se será este o caminho de Agenor, que é muito respeitado pelo medo que Nice tem dele, mas vemos naquele homem o grau de intimidação que causa uma mágoa imensa em sua esposa. Sem entrar no mérito das filhas. Imagine quando ele souber de Maura e Rosa? Pontos tão distantes (e extremos entre si) do que ele imagina ser “correto”.

Leia+  Semana dos Famosos: namoro de Lulu Santos, término de Lorena Improta. E mais

Hoje a violência doméstica atinge números inacreditáveis. Crescem sempre com o medo da esposa que leva a frente seu silêncio. Olhe esta matéria inacreditável da Times e Sapotek: “Os dispositivos inteligentes, que vem sendo desenvolvidos para fazer da vida doméstica de muitas famílias uma rotina mais conectada, podem ser manipulados para facilitar o comportamento abusivo de vários agressores. Numa reportagem conduzida pelo jornal The New York Times, várias vítimas de violência doméstica dão conta da forma como foram monitoradas pelos seus agressores através de um complexo sistema de gadgets que ampliou o poder que os conjugues exercem. Continua a leitura

Sobre o autor

Camila Botto

Formada em jornalismo com pós-graduação em mídias digitais, Camila Botto é colunista do Cabine Cultural, editora-chefe do Feminino e Além, autora do livro Segredos Confessáveis e sócia da Dendê Cult Press.

Deixe uma resposta