Inteligência artificial utilizada em “Megatubarão” deu vida a Megalodon
Cinema Notícias

Inteligência artificial utilizada em “Megatubarão” deu vida a Megalodon

  •  
  •  
  •  
  •  
Megatubarão

Megatubarão

 

Saiba como foi o processo de criação do Megatubarão protagonista do filme que desde o dia 9 de agosto está nos cinemas do Brasil

Quem assistiu ao filme Megatubarão deve ter ficado bastante impressionado com o tubarão que dá título ao filme. Megalodon, seu nome científico, foi uma criação bem engenhosa feita a partir de inteligência artificial.

Entenda

Usando o hardware de inteligência artificial (IA) da Intel, a Warner Bros. Pictures e a Gravity Pictures deram vida ao Megalodon, tubarão pré-histórico de 20 metros de comprimento que é a estrela do filme. Criado pela Scanline VFX usando o software Ziva VFX, Megalodon foi projetado em tempo recorde com precisão realista, desde a forma como ele se movimenta na água até seus músculos e pele, para proporcionar uma experiência surpreendente para o público de todo o mundo.

Leia+  Telecine exibe especial Charles Bronson, com 13 horas de maratona

Na Intel, trabalhamos todos os dias para produzir coisas incríveis. É emocionante ver nossos processadores Intel® Xeon® Scalable usados para levar o tubarão Megalodon às telas dos cinemas“, afirma Julie Choi, chefe de marketing de IA da Intel.

A tecnologia de IA da Intel permite criar imagens super-realistas com detalhes incríveis e poupa tempo ao longo dos ciclos de criação, pois todos podem trabalhar em conjunto para aprimorar a arte e, consequentemente, a experiência do público.

Recriar um enorme tubarão pré-histórico das águas para as telas não foi uma tarefa fácil, porque além de dar vida ao Megalodon, a Scanline e a Ziva também precisaram reproduzir de forma realista os movimentos do animal. Elas foram capazes de fazer isso com uma série de simulações físicas e, em seguida, inserindo o tubarão em todos os movimentos e posições necessários para as cenas do filme.

Leia+  Dario Argento nos anos 2000: Um guia de como não fazer filmes

Ajudamos os animadores a fazer criaturas incríveis com o poder da IA da Intel. Uma das grandes vantagens de usar processadores Intel Xeon Scalable é poder gerar volumes de dados de treinamento surpreendentes. Quando queremos elaborar um processo de aprendizagem de máquina, é preciso saber como algo se comporta para que possamos nos antecipar ou extrapolar o comportamento esperado – nesse caso, o movimento do tubarão. A tecnologia Intel Xeon ajudou nossos profissionais a fazer isso com rapidez, eficiência e da maneira mais realista possível”, explica James Jacobs, CEO da Ziva VFX.

A linha de processadores Intel Xeon Scalabe garantiu poder de processamento ao software de geração de personagens da Ziva e ajudou a acelerar seu “sistema de física” –algoritmo de IA que automatiza os movimentos das criaturas como o Megalodon. Além disso, a Scanline usou o Intel Xeon para processar as cenas do filme, poupando tempo precioso e permitindo produzir mais opções de imagens.

Leia+  Com Taylor Schilling, Maligno é uma das maiores apostas do terror para 2019

Para produzir ‘Megatubarão’, precisávamos de muito desempenho em nossos sistemas computacionais”, explica Stephan Trojansky, presidente e supervisor VFX da Scanline. “Anos atrás, seria necessário um enorme sistema de renderização e uma grande equipe para produzir uma quantidade muito pequena de cenas. Hoje, usamos 2.500 processadores Intel Xeon com quase 100.000 núcleos para produzir todo o filme. É possível ter ciclos rápidos de produção e apresentar várias opções para o diretor, o que é fundamental para gerar os melhores efeitos visuais.”




Robin Hood
A Voz do Silêncio

Sobre o autor

Redação

Redação

Matéria produzida pela equipe do site.
Copyright © 2018. Cabine Cultural: arte, cultura, entretenimento; cinema & tv

Deixe uma resposta