Crítica: “A Freira” mete tanto medo assim ou decepciona?
Críticas Notícias

Crítica: “A Freira” mete tanto medo assim ou decepciona?

  •  
  •  
  •  
  •  
A Freira

A Freira

Dirigido por Corin Hardy. Roteirizado por Gary Dauberman, James Wan. Elenco: Taisa Farmiga, Demián Bichir, Charlotte Hope, Ingrid Bisu, Jonas Bloquet, Bonnie Aarons, Jonny Coyne, Mark Steger, Sandra Teles, Manuela Ciucur, Ani Sava, Jared Morgan, August Maturo, Claudio Charles Schneider

Invocação do Mal está sendo, gradativamente, uma franquia de sucesso no gênero do terror sobrenatural. Em especial, as várias sequências e spin-offs que são realizadas traçam o mapa da trajetória dos investigadores do paranormal, Ed e Lorraine Warren, e todas as suas histórias registradas em seus relatos e palestras: Amityville, Annabelle, e agora A Freira constituem aos poucos as partes do museu que o casal construiu para abrigar os objetos destes casos e que vai sendo reconhecível pelo espectador a cada novo capítulo.

Leia+  Para Hollywood, “Nasce uma Estrela” e “Venom” atrapalham a bilheteria de “O Primeiro Homem”

A Freira é um spin-off que originou do caso contado em Invocação do Mal 2 (2016), no qual uma família de uma região humilde de Londres experimentava a presença de um espírito maligno.

O enredo acontece nos anos 50, logo após a Segunda Guerra Mundial, na região da Romênia, quando um jovem camponês canadense chamado Maurice (Bloquet) descobre o corpo de uma freira em um velho convento abandonado e que, aparentemente, havia cometido suicído. Neste aspecto, o trabalho do design de produção em conjunto com o figurino traz um resultado maravilhoso para um filme de época. Em particular, o contexto de uma construção medieval em estilo gótico, o qual já concede um ar fantasmagórico para o local, inclusive serviu para justificar a escuridão em razão da ausência de luz (elétrica), o que é bastante inteligente e auxilia o trabalho da fotografia em explorar livremente os tons cinzas e pretos nos cenários, a fim de estabelecer um suspense mais palpável.

Leia+  Crítica: “Nasce Uma Estrela” ou Um Oscar para Lady Gaga?

Outro aspecto interessante do longa são os trajes brancos da protagonista, a noviça Irene (Farmiga), que se opõem à entidade e até mesmo ao Padre Burke (Bichir) e as demais irmãs, cujas vestimentas contêm majoritariamente a cor preta… Continue a leitura

Principais informações
Data de publicação:
Título da publicação:
Crítica: “A Freira” mete tanto medo assim ou decepciona?
Classificação:
31star1star1stargraygray

Sobre o autor

Gabriella Tomasi

Gabriella Tomasi

Gabriella Tomasi é crítica de cinema, graduanda em letras, membro do coletivo de mulheres críticas de cinema – ELVIRAS, e possui o blog Ícone do Cinema

Deixe uma resposta