Crítica: Alcione segue como ícone da cultura musical brasileira
Coberturas Música Notícias

Show em Salvador: Alcione segue como ícone da cultura musical brasileira

  •  
  •  
  •  
  •  
Alcione em Salvador - Fotos Simone Chaves

Alcione em Salvador – Fotos Simone Chaves

A cantora maranhense apresentou em Salvador o show ‘Eu Sou a Marrom’, que comemora 45 anos de carreira

Por Cristiana de Oliveira
Com colaboração: Simone Chaves

Sambas românticos, Djavan, Caetano e o Ilê, Alcione arrasou na Concha Acústica do TCA lotada, para comemorar os seus 45 anos de carreira, no show Eu sou a Marrom.

Mais uma vez se apresentando na capital baiana, Acione falou do seu amor a Salvador e aos baianos e como se sente parte daqui e seus fãs responderam cantando e dançando na celebração que só foi atrapalhada pelas pessoas que lotaram a frente do palco e que mais uma vez causaram indignação em quem estava sentado, como é costume na Concha.

Leia+  Crítica: show “Canta Lulu” apresenta a melhor versão de Lulu Santos

O show teve alguns pontos altos como a homenagem feita a Emílio Santiago e a música do Ilê.

Emílio
Durante o show, Alcione ainda prestou homenagem ao cantor Emílio Santiago, que faleceu em 2013. “Eu não esperava que ele fosse embora tão cedo”, declarou a cantora ao embalar o público com os sucessos ‘Saigon’ e ‘Flamboyant’, que se tornaram verdadeiros hinos nacionais na voz do cantor carioca.

Mas, as homenagens não terminaram por aí. Demonstrando muita alegria por trazer seu show ‘Eu Sou a Marrom’ para os soteropolitanos, a maranhense não deixou de reverenciar a Bahia. “Eu tenho uma gratidão muito grande pela Bahia”, destacou ao versar “A Bahia, Estação primeira do Brasil”, da música ‘Onde o Rio é Mais Baiano’, do cantor e compositor Caetano Veloso, lembrado pela cantora no palco, que também fez questão de destacar a importância de Gilberto Gil na música baiana e brasileira.

Leia+  Melhor representante do pop nacional, Lulu Santos chega a Salvador para show na Concha

Mundo machista
Comemorando 45 anos de carreira, 42 álbuns (entre LPs e CDs) e nove DVDs gravados, gerando mais de oito milhões de discos vendidos, a Marrom chamou atenção ao falar que o mundo do samba é machista, mesmo sendo uma das cantoras mais reverenciadas do gênero no Brasil e no mundo. Prova disso é mostrado em sua trajetória, que inclui shows em mais de 30 países e turnês que cruzaram o Brasil de ponta a ponta.

Sobre o autor

Cristiana de Oliveira

Cristiana de Oliveira

Crítica cultural, professora universitária e editora do site Cabine Cultural

Deixe uma resposta