Crítica: Utøya - 22 de julho e a estreia de um filmaço
Críticas Notícias

Crítica: Utøya – 22 de julho, um filmaço

  •  
  •  
  •  
  •  
Utøya - 22 de julho

Utøya – 22 de julho

Dirigido por Erik Poppe. Roteirizado por Siv Rajendram Eliassen, Anna Bache-Wiig. Elenco: Andrea Berntzen, Aleksander Holmen, Brede Fristad, Elli Rhiannon Müller Osbourne, Solveig Koløen Birkeland, Jenny Svennevig, Ingeborg Enes Kjevik, Sorosh Sadat, Ada Eide, Mariann Gjerdsbakk, Daniel Sang Tran, Torkel Dommersnes Soldal, Magnus Moen, Karoline Schau, Tamanna Agnihotri

Dia 22 de julho de 2011 foi um dos eventos mais trágicos para a Noruega. Não somente a sede do governo fora alvo da explosão de uma bomba na sua capital, mas também o ataque à pequena ilha de Utøya, à 40km de Oslo, a qual se prestava naquele momento para abrigar a colônia de férias de jovens cujos pais eram majoritariamente políticos do mesmo partido, a dos trabalhadores. Obviamente, os motivos eram políticos e após 77 mortes e centenas de feridos fora descoberto que o autor dos crimes se filiava aos movimentos de extrema direita.

Leia+  Crítica: “Nasce Uma Estrela” ou Um Oscar para Lady Gaga?

Pois bem. O filme dirigido por Poppe conta o trauma vivido a partir da perspectiva de uma jovem chamada Kaja (Berntzen), que tenta entender a situação e ao mesmo tempo encontrar sua irmã Emilie (Osbourne), de quem se separou em meio ao tumulto, assim como sobreviver aos pesados tiros que repentinamente tomavam conta de seu redor.

Na vida real, o terror durou 72 minutos e é exatamente a duração com que esse filme fora projetado. Uma cinematográfica maravilhosa e inigualável, a câmera na mão segue os movimentos da protagonista sem cortes nenhum. O efeito desse grande plano-sequencia se prestou justamente para conferir uma realidade de uma situação caótica e terrível que transforma a pouca duração do longa em intermináveis minutos não só para seus personagens, mas inclusive para seu espectador. Neste sentido, o realismo é impactante e fatal. As cores escuras em que predominam o verde, marrom e cinza também transparecem o ambiente de destruição.

Leia+  Nos cinemas: “Escobar: A Traição” traz Penélope Cruz como amante de ícone do tráfico

Além disso, é curioso como a narrativa desenvolvida escolheu simplesmente esconder o vilão desse filme e como o verdadeiro perigo se concentrava nos incontáveis disparos da arma de fogo, cujo design de som trabalhou… Continua a leitura




Robin Hood
A Voz do Silêncio

Sobre o autor

Gabriella Tomasi

Gabriella Tomasi

Gabriella Tomasi é crítica de cinema, graduanda em letras, membro do coletivo de mulheres críticas de cinema – ELVIRAS, e possui o blog Ícone do Cinema

Deixe uma resposta