Espetáculo “Só de Amor”: Mariana Santos e a arte de divertir bem
Coberturas Teatro

Espetáculo “Só de Amor”: Mariana Santos e a arte de divertir bem

  •  
  •  
São Paulo 24 janeiro 2019 Mariana Santos, atriz. Foto Alexandre Battibugli

São Paulo 24 janeiro 2019, Mariana Santos, atriz. Foto Alexandre Battibugli

Com interações com a plateia, Mariana consegue a atenção fácil de todos aqueles olhares que se dirigem ao palco

Mariana Santos é uma daquelas artistas que me fazem rir fácil. Além de ser ótima na profissão, chama atenção pela inteligência e beleza. Gosto de graça, a ponto de assistir, praticamente, tudo o que ela faz e ficar atenta às suas participações no programa maravilhoso, da Rede Globo, “Amor e Sexo”. A impressão que tenho, é que Mariana é uma amiga próxima, mas que a gente só sai de vez em quando. Agendas incompatíveis.

Na última quarta-feira, 06/02, tive o prazer de assistir “Só de Amor”, sua nova peça, que tem sua assinatura no texto e a de Rodrigo Velloni na direção e produção. A comédia tem toques de drama, mas não de um jeito piegas ou apelativo; do jeito cotidiano da vida que começa, todos os dias, repleta de planos e termina com irritação por uma chuva que caiu durante o passeio na praia ou da árvore que atrapalhou o trânsito na ida ao parque.

Leia+  Camarote Expresso 2222, o mais esperado do Carnaval baiano

Com interações com a plateia, Mariana consegue a atenção fácil de todos aqueles olhares que se dirigem ao palco. Um cenário simples, com uma trilha sonora divertidíssima, músicas infantis que têm as letras intercaladas com a realidade adulta, o musical é a prova viva de que nossa cultura, graças a Deus, resiste e que se faz cada vez mais necessária. É a voz da vida que reverbera dentro de cada pessoa que precisa da cultura, em todas as suas formas, para fazer com que as ideias não parem.

Num momento crítico do país, quando uma atriz resolve revelar a sua alma para o público, sem medo de julgamentos ou, talvez, até com medo, mas com 5% a mais de coragem, é indispensável que haja reciprocidade. As pessoas precisam manter o teatro vivo para aprenderem, se divertirem e questionarem. Isso é cultura, é arte, é a nossa vida. Continua a leitura

Sobre o autor

Avatar

Camila Botto

Formada em jornalismo com pós-graduação em mídias digitais, Camila Botto é colunista do Cabine Cultural, editora-chefe do Feminino e Além, autora do livro Segredos Confessáveis e sócia da Dendê Cult Press.

Deixe uma resposta