“Coisa mais Linda”, Netflix: emocionante desde o primeiro capítulo
Notícias Séries

“Coisa mais Linda”, Netflix: emocionante desde o primeiro capítulo

  •  
  •  
Feminino e Além

“A série? A contragosto de tantos, achei muito boa por causa DOS personagens. Como li em algum site, é série para gringo ver”

Malu (Maria Casadevall), Adélia (Pathy Dejesus), Ligia (Fernanda Vasconcelos) e Thereza (Mell Lisboa) foram as verdadeiras coisas mais lindas da série. Emocionante desde o primeiro capítulo, Casadevall poderia ser a nova queridinha de todas as telas do mundo. Ela vai da piada, do sarcasmo, da serenidade, da sinergia, da autoridade, do humor em todos os trabalhos que já fez, muito bem, obrigada.

Lindo de ver a firmeza de uma sumida Fernanda Vasconcelos (AMEI aquele cabelo).  Sempre a achei boa atriz, mas com algumas ressalvas muito dramáticas demais. Nesta série, foi no ponto. E fora que está linda! A Casadevall é de doer, mas fiquei em uma dúvida absurda entre as duas (hahaha).

Coisa Mais Linda

Coisa Mais Linda

Mel Lisboa vem em uma boa forma, tanto de talento quanto física, excepcionais. Se formos analisar a fundo, é um dos personagens mais intensos e reflexivos. Muito acontecendo, muito a ser escondido dela própria. Bem formatada a base e o ritmo nada cansativo da personagem.

Leia+  Programa Eliana (21/4) tem festa pra Belo, pole dance de Gracyanne e história de Patrícia

A série? A contragosto de tantos, achei muito boa por causa DOS personagens. Como li em algum site, é série para “gringo ver”. Sem dúvida! Mas que deu gosto de ver tudo, deu. Ou seja, Netflix emplacou pela grande sinergia das quatro e por ter pego a dedo as atrizes e seus papeis.  São quatro caminhos distintos e que se cruzam (fora Malu e Ligia que eram amigas de infância) de forma bem tramada. Pergunta: deu para ver que muito para nós, mulheres, não mudou com tanta força? Apois… Enfrentar o machismo é o caminho que ainda temos. Infelizmente.  Agora, com toda força do mundo, “Coisa Mais Linda” traz uma viagem (que poderia ser um pouco maior) na música brasileira, apesar do primeiro episódio ter sido aberto com “Garota de Ipanema” em inglês.  De toda sorte, depois do fracasso de “Samantha” (estou no contrário de muitas opiniões), mais que recomendo a maratona. Vale à pena!… Leia a matéria completa


Sobre o autor

Avatar

Camila Botto

Formada em jornalismo com pós-graduação em mídias digitais, Camila Botto é colunista do Cabine Cultural, editora-chefe do Feminino e Além, autora do livro Segredos Confessáveis e sócia da Dendê Cult Press.

Deixe uma resposta