Cinema Críticas Notícias

Crítica “Coringa” – Muito bom, ótimo ou obra-prima?

Coringa
Coringa

Coringa – A repetição é a vida de Arthur. Bem como é uma das precisas definições do inferno

Por João Paulo Barreto

Em um dos recorrentes enquadramentos utilizados pelo diretor Todd Phillips na sua vertiginosa viagem dentro do labirinto mental de Arthur Fleck (um Joaquin Phoenix em estado de graça), o comediante fracassado que se torna o assassino serial autointitulado Coringa, vemos o homem de aparência frágil subir algumas vezes vários lances de escada em uma conexão entre as imundas ruas da fictícia Gotham City, ou, a Nova York setentista que o filme soube emular tão bem de obras como Perdidos na Noite, Serpico e Taxi Driver.

Aqui, percebemos em suas costas curvadas o peso de sua existência naquelas constantes escaladas de degraus em diários retornos para o apartamento decrépito onde vive com sua mãe doente, após mais uma jornada de derrotas na carreira como palhaço de rua a anunciar promoções de lojas decadentes, animar crianças doentes em hospitais, ou no alimentar do sonho inútil de fazer sucesso na comédia de stand-up.

Da mesma maneira, esse retorno também acontece após mais um dia de violências sofridas e de escape do sufocamento urbano, e, também, após mais uma tentativa fracassada de se adaptar, através de visitas ao Serviço Social, a um mundo que o renega rotineiramente. A repetição é a vida de Arthur. Bem como é uma das precisas definições do inferno.

Leia também

Sexo, moda, comportamento, no Feminino e Além
Guia de filmes para passar no ENEM e em vestibulares
Lista de filmes que falam sobre Ética e moral
Os 10 filmes românticos mais assistidos no Brasil
10 livros incríveis para o homem moderno
Programação de cinema da Rede UCI Orient

Não com surpresa o espectador atento percebe naquela escada constante a bela rima visual ao ver o protagonista iniciar sua pessoal, e, por isso, aliviante espiral descendente em direção à loucura com um atravessar daqueles mesmos degraus, só que no sentido contrário, seguindo para a entrega total à violência catártica e deixando para trás qualquer chance de redenção. Ao subir aqueles degraus em sua postura de desistência e desânimo, mas, ainda assim, lutando para de algum modo conseguir escapar, seja com a ajuda de remédios ou cogitando um interesse amoroso, ainda tem-se ali a presença de alguém que quer se ver curado e “feliz” como, ironicamente, o chama sua mãe, Penny (Frances Conroy). Na postura confiante e reversa da descida daqueles mesmos degraus, com suas roupas berrantes, com uma maquiagem a mostrar seu verdadeiro rosto e em uma incisiva dança, o que vemos é justamente essa citada entrega à catarse. Leia a crítica completa

Adicionar comentário

Clique aqui e comente

Deixe uma resposta

Assista ao trailer

A Grande Mentira (The Good Liar)

Assista ao trailer

Ford vs Ferrari

Assista ao trailer

Dora e a Cidade Perdida

Assista ao trailer

Estaremos Sempre Juntos

Assista ao trailer

Doutor Sono

Assista ao trailer

O Exterminador do Futuro: Destino Sombrio